Ano de lançamento:
País:
Duração:

Nome no mínimo curioso. Dzi Croquette. Confesso que não fazia parte do meu repertório, até porque fez sucesso na década de 70 – eu era pequena demais para acompanhar e não era algo com apelo infantil, para dizer o mínimo. Mas o significado que o grupo carrega e todo o contexto que vem com ele não […]

Saiba mais
Ano de lançamento:
País:
Gênero:
Estado de espírito: ,
Duração:

A filha pergunta ao pai como se escreve beautiful, para que a palavra complete seu desenho. Ele soletra b-i-u-t-i-f-u-l e assim ela registra e adjetiva aquele momento simples, cotidiano e bonito de um pai que cuida dos filhos, apesar de todos os pesares. E os pesares são muitos. Uxbal (Javier Bardem, também em Mar Adentro, […]

Saiba mais
Ano de lançamento:
Gênero:
Estado de espírito:
Duração:

Definitivamente os formatos familiares estão mudando. Aquele padrão tradicional já se mistura a novas constituições familiares, de dois pais ou duas mães e seus rebentos. Cada vez mais atuantes e presentes, essas famílias de pais homossexuais criam seus filhos e os ensinam a conviver, desde cedo, com o mundo que, até pouco tempo, os fazia […]

Saiba mais
Ano de lançamento:
Gênero:
Estado de espírito: ,
Duração:

Parece mentira, mas não é. A produção também “púrpura” de Woody Allen, publicada há alguns dias no Cine Garimpo, fez-me lembrar de A Cor Púrpura, obra de Steven Speilberg. Uma coisa não tem nada a ver com a outra, é verdade. Mas as associações são sempre interessantes quando se trata de garimpo de repertório. A […]

Saiba mais
Ano de lançamento:
País:
Gênero:
Duração:

O fio condutor de um filme muito bem amarrado e executado, como é o caso de O Profeta, é capaz de transmitir, de forma muito clara, a ideia central de todo o projeto. Com a competência extrema na construção do seu protagonista, que é a espinha dorsal, Jacques Audiard consegue transferir para o espectador a […]

Saiba mais
Ano de lançamento:
Gênero:
Estado de espírito:
Duração:

“Não podemos viver só de esperança, mas sem esperança não é possível viver.” Milk é realmente muito bom. Quem não viu, assista. Eu vi no cinema e revi agora. Vale a pena, a começar pela atuação de Sean Penn. Merecido o Oscar que ganhou pelo trabalho, mas merecido também o reconhecimento do equilíbrio do roteiro original. […]

Saiba mais