REVOLUÇÃO EM DAGENHAM – Made in Dagenham

Cartaz do filme REVOLUÇÃO EM DAGENHAM – Made in Dagenham
Direção:
Roteiro:
Ano de lançamento:
País:
Estado de espírito:
Duração:

Opinião

Dizem que nós, mulheres, tanto fizemos para termos as mesmas oportunidades e o mesmo respeito do que os homens no trabalho, na sociedade e dentro de casa, que agora estamos atoladas por tudo aquilo que conquistamos. É verdade que hoje a função de educar os filhos faz parte da vida do casal e não mais somente da mulher, mas nem por isso ficamos mais aliviadas. As funções se acumulam e somos, cada vez mais, mulheres ‘polvo’.

Aliás, essa imagem é interessantíssima e muito acertada. Tanto fizemos que agora temos que arregaçar as mangas e tratar de dar um jeito e fazer bem feito o trabalho doméstico (e aqui incluo não também a cada vez mais difícil tarefa de educar bem os rebentos) e o trabalho profissional. Ainda bem! É preciso vários braços para cumprir as diversas funções. Essa imagem é importante para acompanhar o filme Revolução de Dagenham, que mostra como foi essa luta em 1968, em uma fábrica da Ford, na pequena cidade inglesa de Dagenham. Nessa época, as mulheres ficavam em casa, cuidavam da casa e das crianças e no máximo trabalhavam como operárias consideradas ‘não-qualificadas’ – o que justificava o salário infinitamente menor que o dos seus colegas homens. Rita (Sally Hawkins, também em Educação, Não Me Abandone Jamais, Flor do Deserto e Simplesmente Feliz) é uma das costureiras da fábrica de automóveis da Ford, na Inglaterra dos acordos entre Trabalhistas e sindicatos, que não favoreciam a classe trabalhadora, mas sim buscavam privilégios. Liderados por ela, as costureiras param de a fábrica de Dagenham quando decidem entrar em greve por igualdade salarial, fim das horas extras e mais respeito.

Nesse panorama, Revolução em Dagenham reconstrói a realidade das operárias na época das greves por toda a Europa, da posição submissa das mulheres e da sua luta por um lugar no mundo estritamente masculino até então. Não tem grandes emoções e o ativismo político é mostrado de uma maneira até um pouco romântica e feminino demais. Mas é um registro de uma história que realmente aconteceu. A partir dela as mulheres inglesas passaram a ocupar cada vez mais posições de importância na sociedade e no mundo profissional, a legislação mudou a seu favor e isso foi seguido por outros países em todo o mundo com o passar do tempo.

O trailer mostra bem o tom do filme. Dê uma olhada abaixo.

Trailers

Comentários