O GATO DO RABINO – Le Chat du Rabbin

Cartaz do filme O GATO DO RABINO – Le Chat du Rabbin
Direção:
Roteiro:
Ano de lançamento:
País:
Gênero:
Estado de espírito:
Duração:

Opinião

Joann Sjar é um aclamado autor de quadrinhos francês. Já escreveu dezenas de livros, sendo que um deles serviu de base para o autor trabalhar a sua versão cinematográfica. O filme O Gato do Rabino é uma divertida e colorida viagem pela cultura judaica, com pinceladas cristãs e islâmicas, pela Argélia do começo do século 20. É com essa animação que começa o 16o. Festival de Cinema Judaico hoje, na Hebraica (veja programação completa no site www.fcjsp.com.br).

Leve e descontraída, a história tem como espinha dorsal a vontade de um gato de se converter ao judaismo. Engole o papagaio da bela adolescente Zlabya, filha do rabino do título, e ganha voz. Unida à sua inteligência, senso crítico e muito humor, a voz do gato do rabino questiona os preceitos da religião e suas tradições na primeira metade do filme – como o fato de poder ou não fazer bar mitzvah e circuncisão.

Na segunda metade, o rabino parte num road movie em companhia do gato, de outro rabino e de um judeu russo, recém expulso da Rússia socialista e que busca a terra prometida. Cruzam o norte da África e aqui as discussões transcendem as fronteiras da Argélia e dos judeus sefarditas. Eles partem em direção à Etiópia, onde se encontram com árabes e negros e discutem, ainda com humor, as questões ligadas ao racismo, à coexistência das três religiões, à tolerância e às diferenças e semelhanças disso tudo. Rico em diálogos e com imagens bem trabalhadas (embora de traço nada rebuscado – o que me agrada), O Gato do Rabino despertou a curiosidade em conhecer a história em quadrinhos. Trabalho diferenciado, inclusive em relação ao seu primeiro (e belo) filme Gainsbourg – O Homem que Amava as Mulheres, Joann Sfar não dorme em serviço – faz inclusive uma homenagem a outro personagem famoso dos quadrinhos, um certo jornalista e seu inseparável cachorro.

Para quem não conseguir ir ao Festival Judaico, O Gato e Rabino, vencedor do César na categoria melhor animação, entra em cartaz logo mais no circuito comercial.

Comentários