EVERESTE | Everest

Cartaz do filme EVERESTE | Everest

Opinião

Quando No Ar Rarefeito foi lançado, em 2006, lembro bem como o livro deu o que falar. Se não me engano, foi através desse best-seller que ficaram escancaradas questões como o acúmulo de lixo no Himalaia, o excesso de expedições nas trilhas mais perigosas, como a do Evereste, e a presença cada vez mais evidente e preocupante de alpinistas-aventureiros e pseudo-atletas que se lançam na perigosa empreitada de subir a montanha mais alta do mundo sem o preparo emocional e físico que ela exige. A história vendeu muito e o autor John Krakauer não economizou na emoção e na reflexão sobre essa tênue linha entre a aventura-segura e o desafio-suicida.

Evereste segue essa linha. Baseada nos relatos do jornalista Krakauer, que foi convidado para acompanhar uma expedição ao Evereste em 1996 e escrever para a revista onde trabalhava, a produção traz à tona a seguinte reflexão: o que leva as pessoas a se arriscarem tanto? Qual é a grande motivação?

Há duas equipes protagonistas, lideradas por sujeitos de perfis bem diferentes: o destemido Scott Fisher, na pele do ótimo Jake Gyllenhaal, também em Nocaute; e o cauteloso Rob Hall, vivido por Jason Clarke. As diferenças de atitude diante das normas de conduta é que dão o tom do drama vivido pelos alpinistas. Em expedições assim, ficar atento à mudança no clima, respeitar o timing para subir e descer a montanha, não correr riscos desnecessários (os inevitáveis já são suficientes) e trabalhar em equipe são pontos cruciais para não morrer. E é aqui que a coisa pega.

Mesmo que você tenha lido o livro, Evereste vale ser visto. A história é impressionante e devastadora. Fica o questionamento sobre alguns estranhos comportamentos humanos: a crescente necessidade de se provar, a constante insatisfação e o fascínio pela adrenalina de sentir a-vida-por-um-fio. Embora seja uma andarilha inveterada, confesso que sentir medo não é comigo. Mas é uma delícia poder pisar no Himalaia, ver a beleza e sentir fúria da natureza em segurança. O cenário é dos deuses.

 

 

Comentários