LIVRO e FILME – ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA

Cartaz do filme LIVRO e FILME – ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA

Opinião

Aproveitando Saramago e o documentário sobre sua relação com sua esposa, a espanhola Pilar Del Río, vou falar do que já deveria ter falado, na ocasião da sua morte em junho deste ano. Aproveitando o belo documentário José e Pilar e a cena em que os dois acompanham o diretor Fernando Meirelles na exibição da sua adaptação do romance Ensaio Sobre a Cegueira, quero registrar que não me esqueço da sensação que o livro e o filme produziram em mim. Quem não leu e gosta do estilo do autor português, coloque o livro na sua lista de desejos. Quem se cansa da sua falta de pontuação e outras coisinhas mais, veja o filme. A sensação produzida por ambos foi muito parecida e isso prova a competência e sensibilidade de Meirelles de levar para a tela algo muito difícil de transferir.

Quando li Ensaio Sobre a Cegueira (Blindness, título em inglês), imediatamente me lembrei do personagem de Machado de Assis, Simão Bacamarte. Em O Alienista, o médico Bacamarte resolve internar as pessoas da cidade que sofrem algum distúrbio de loucura. Acaba internando quase toda a população, até perceber que o louco mesmo era ele. Na história de Saramago, a loucura é substituída pela cegueira. Contagiante, ela acaba contaminando toda a população e a única que consegue enxergar e ver a falta de visão dos outros, a falta de dignidade, de humanidade e decência do ser humano num mundo como no nosso é a personagem de Julianne Moore no filme (também em Minhas Mães e Meu Pai). A prisão de todos para evitar uma epidemia não impede que a cegueira moral e ética se alastrem, assim como os pacientes de Bacamarte, todos loucos e desequilibrados.

A aflição que tanto o filme quanto o livro geram é inesquecível, ainda mais quando projetamos todas as barbaridades da humanidade nas proporções de uma epidemia. Saramago quis mesmo dizer que o homem não merece o mundo que tem. E Meirelles conseguiu transmitir isso. As imagens feitas em São Paulo são incríveis, de uma cidade que poderia ser qualquer outra no mundo. São imagens sem nome ou local, simplesmente como é a atitude gananciosa e egoísta das pessoas. As duas obras são fortes e marcantes. Saí do cinema como se tivesse levado um soco no estômago, como se aquilo pudesse nos fazer enxergar o que realmente somos, por o que realmente lutamos. E não restou um pingo de dignidade.

Comentários