ALÉM DA FRONTEIRA – Out In The Dark

Cartaz do filme ALÉM DA FRONTEIRA – Out In The Dark

Opinião

Além da Fronteira tem dois elementos perigosos, duas fáceis armadilhas. A primeira é o tema do filme em si, já que estamos falando do conflito entre palestinos e israelenses, quando ele invade as casas, impede o ir e vir dos cidadãos, transforma o cotidiano. Falar dessa confusão interminável e não cair no lugar comum não é uma tarefa simples; a outra diz respeito ao tratamento dado à relação homossexual dos protagonistas, que deveria ser mostrada sutilmente, sem agressividade, de maneira que não roubasse a cena do tema principal, que é a intolerância religiosa, social e política entre os povos. Um repertório rico, mas de difícil abordagem. Apesar disso, o diretor Michael Mayer acerta no tom, porque o filme é impactante na sua temática e emocionante nas relações – sejam elas quais forem, entre amantes, irmãos, pais e filhos, amigos.

A partir do enredo, vejam como seria fácil cair no dramalhão: Nimr é um palestino que vive modestamente sob o cerco do exército de Israel e luta para conseguir visto para estudar na universidade de Tel Aviv; Roy é um advogado judeu bem sucedido, que vive do outro lado do muro de segurança erguido por Israel, para supostamente protegê-los dos terroristas palestinos. Apaixonam-se, mas encontram na relação homossexual um tabu enorme e na relação entre os povos, uma barreira quase intransponível.

Sem cair no exagero, nem usar a relação amorosa dos protagonistas como bandeira, Além da Fronteira toca em um dos pontos mais tensos e sensíveis das relações entre pessoas de diferentes religiões. Sem luz no fim do túnel, palestinos e israelenses vivem a realidade da discordância e a infelicidade da vizinhança. Nimr e Roy fazem parte da geração que não vê o preconceito, que não quer a divisão, nem as barreiras. Mas sofre as consequências das decisões tomadas pelas gerações anteriores e da disputa por território.

Recentemente vi outros dois filmes que tocam na mesma questão, ambos chamando atenção para o ponto de vista do jovem, que não compartilha da raiva que impera no Oriente Médio. Vale conferir o O Filho do Outro e Uma Garrafa no Mar de Gaza, disponíveis em home video. Filmes importantes para pensar sobre o assunto e prato cheio para quem gosta de produções com conteúdo e qualidade cinematográfica.

 

 

Comentários