Panorama do Cinema Libanês

Publicado em

Agora é a vez do cinema do Líbano. Teremos o festival chamado ESTE É O LÍBANO – é a primeira mostra deste país por aqui e conta com 20 filmes contemporâneos, no Rio e em São Paulo.

O escolhido pra abertura dia 21 é O INSULTO, do diretor Ziad Doueiri, num evento só pra convidados – o Cine Garimpo estará lá pra prestigiar e conferir o filme que fez parte da seleção oficial do Festival de Cinema de Veneza em 2017, quando o ator Kamel El Basha levou o prêmio de melhor ator. É também o indicado do Líbano na disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro.

Outros filmes da programação:

E AGORA, AONDE VAMOS?, de Nadine Labaki

PEUR DE RIEN”, de Danielle Arbid;

WAVES ‘98”, de Ely Dagher, ganhador da Palma de Ouro em Cannes 2015 de melhor curta-metragem

GHADI”, de Amin Dora

THE LEBANESE ROCKET SOCIETY”, de Khalil e Joanna Joreige

YA OMRI”, de Hady Zaccak

 _____________________

QUANDO: de 23 a 29 de novembro de 2017

ONDE: São Paulo – Espaço Itaú de Cinema Augusta

INGRESSOS: Entrada gratuita – inscrições pelo site

MAIS INFORMAÇÕES: www.esteeolibano.com.br / www.facebook.com/esteeolibano

 

 

25º MIX BRASIL – FESTIVAL DE CULTURA DA DIVERSIDADE

Publicado em

Teremos 10 dias de cinema gratuito em São Paulo com o tema da diversidade: são 159 filmes de 34 países. Além de longas metragens, tem curtas, música, shows, teatro. Tudo de 15 a 26 de novembro.

O 25º Mix Brasil de Cultura da Diversidade abre às 16h no Parque do Ibirapuera dia 15, com show no palco aberto e sessão para convidados do filme italiano ME CHAME PELO SEU NOME (já premiadíssimo), do diretor Luca Guadagnino, também de Um Sonho de Amor e Um Mergulho no Passado. Os dois ótimos. Além desse, alguns destaques de filmes da programação, que representam seu país na corrida pela indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro:

THELMA, de Joachim Trier (foto), Noruega| Também diretor de Mais Forte que Bombas e Oslo, 31 de Agosto, Thelma é sobre uma menina que tem poderes sobrenaturais, é adolescente e não entende o que acontece. Um drama, com fantasia. Muito bom, tenso, intenso e com ótimo desfecho.

Conversa Fiada, Huichen Huang, Taiwan

Tom of Finland, Dome Karukoski, Finlândia

Os Iniciados, de John Trengove, África do Sul

O homenageado é o cineasta amaricano Gus Van Sant, de Elefante e Milk: A Voz da Igualdade exibidos no festival. É dele também Gênio Indomável e Inquietos.

Todas as informações no site do festival.

FESTIVAL VARILUX DE CINEMA FRANCÊS 2017

Publicado em

Dia 07 começa o FESTIVAL VARILUX DE CINEMA FRANCÊS – o mais “charmant” do país. Serão 19 filmes exibidos em 55 cidade em todo o Brasil, por 15 dias. Os destaques ficam por conta de filmes que já passearam pelos festivais internacionais, inclusive Cannes, que acabou de terminar. Voilà a vinheta logo abaixo e já comentários de alguns dos filmes.

 

FRANTZ, de François Ozon (também diretor de Uma Nova Amiga, Dentro da Casa) é uma poesia só. Em branco e preto – com um colorido que entra em momentos especiais –, fala de Anna (Paula Beer), uma jovem alemã que vive no pós Primeira Guerra, fica noiva-viúva do seu grande amor e mora com os sogros. Até que aparece um francês, chora no túmulo do seu namorado e entra na vida daquela família alemã pra mudar tudo. Passeou pelos festivais de Sundance, Toronto e Veneza, além de ter concorrido em nove categorias no César, o Oscar francês.

 

AMANHÃ, de Cyril Dion e Mélanie Laurent é ótimo e faz parar pra pensar. Olha só: em vez de a gente ficar reclamando que o mundo está poluído demais, aquecido demais, destruído demais, ruim demais, que tal ir atrás de soluções? Com isso em mente, a atriz e diretora francesa Mélaine e o marido saíram pelo mundo em busca de cidades e comunidades que já adoram um estilo diferente de vida (para ler o comentário completo, clique aqui).

 

TAL MÃE, TAL FILHA, de Noémie Saglio | Com Juliette Binoche (da vinheta), Camille Cottin e Lambert Wilson, conta a história improvável da mãe e filha que engravidam ao mesmo tempo. Filha mais madura que a mãe, uma inversão de papéis, uma comédia pra entreter – confesso que o riso fácil não chegou…

 

TOUR DE FRANCE, de Rachid Djaidani é um roadmovie. Adoro. Personagens que se movimentam sempre sofrem transformações. Far’Hook (Sadek) é um rapper que, apavorado com a ameaça feita por outros artista, resolve aceitar a oferta de um amigo e sair da cidade para ser o motorista do seu pai em uma viagem. O pai é Serge (Gérard Depardieu), um artista que quer ir de Paris até Marseille, passando de porto em porto, seguindo a rota feita pelo pintor Joseph Vernet. No caminho, rapper e pintor, com suas diferenças, vão desentendendo-se e entendendo-se, até que a amizade surge. Olhar suave e jovem, algo do improviso do rap, inclusive nas imagens de celular. Trivial, nada de diferente ou especial, com Depardieu naquele papel do pai sisudo e emburrado (mais do masmo), em contrapartida ao rap Sadek, que tem outro repertório cultural.

 

RODIN, de Jacques Doillon, com Vincent Lindon, não chega nem aos pés do inesquecível Camille Claudel, de 1988, com Isabelle Adjani. Nem aos pés. Pensar em alguém mais pra ser a Camille é demais da conta. A escultora deste filme de Doillon não tem o brilho, a loucura ou a graça de Isabelle. E Depardieu (o Rodin de 1988) é melhor e bem menos chato que Lindon. Adoro Lindon, mas aqui ficou lento, desinteressante, mesmo no papel do mulherengo e sedutor escultor francês. Indicado à Palma de Ouro em Cannes. Não entendi, mas tudo bem.

 

UM INSTANTE DE AMOR, de Nicole Garcia

A VIDA DE UMA MULHER, de Stéphane Brizé

O REENCONTRO, de Martin Provost

NA VERTICAL (Rester Vertical), de Alain Guiraudie

NA CAMA COM VITÓRIA (Victoria), de Justine Triet

CORAÇÃO E ALMA (Reparer les Vivants), de Katell Quillévéré

ROCK’N ROLL – POR TRÁS DA FAMA (Rock’n Roll), de Guillaume Canet

 

 

 

FESTIVAL DE CANNES 2013: QUEM SÃO OS JURADOS

Publicado em

De hoje a 26 de maio, Cannes recebe a nata do cinema mundial. Mundial mesmo, porque até a escolha do júri está carregado de significado.

E de nacionalidades diferentes. Além das premiações, do tapete vermelho e de tudo mais que gira em torno das estrelas e produções, é interessante pensar nesse perfil de jurados. Afinal, são eles que escolhem o filme que ganha a Palma de Ouro e, portanto, a chancela para fazer carreira no mundo todo. Assim, quanto mais eclético e diversificado for o corpo de jurados, mais interessantes ficam os prêmios.

Entre os integrantes estão a diretora escocesa Lynne Ramsey, do arrebatador Precisamos Falar Sobre Kevin, exibido no ano passado em Cannes, o ator francês Daniel Auteuil, de filmes como Caché e Conversas com Meu Jardineiro, e a atriz australiana Nicole Kidman, de As HorasOs OutrosReencontrando a Felicidade. Da Alemanha vem Christoph Waltz, o ator de Tarantino premiado em Django Livre e Bastardos Inglórios, mas também do ótimo Deus da CarnificinaAng Lee é o representante de Taiwan, diretor de As Aventuras de Pi e vencedor do Oscar deste ano na categoria.

Também temos Vidya Balan, atriz indiana, Naomi Kawase, cineasta japonês e Cristian Mungiu, o diretor e roteirista romeno, responsável por Além das Montanhas, 4 meses, 3 semanas, 2 diasContos da Era Dourada. Para fechar a Torre de Babel, Steven Spielberg, que prescinde apresentações e é um dos ícones do cinema americano e global. Como presidente do júri de Cannes, a escolha soa especial. Parece que pouco importa se o cinema que se faz é de arte ou comercial. Fiquei com a impressão que, por um instante, os egos ficaram um pouco de lado e o cinema de qualidade é que foi privilegiado.

Vamos aguardar o andamento do evento, que já começou com classe com a exibição de O Grande Gatsby, de Baz Luhrmann, que estreia no Brasil em 7 de junho.