cinegarimpo

junho, 2014

GREASE EM CARTAZ!
CLASSIFICAÇÃO: Musical, Festivais - 27/06/2014

Sucesso total nos anos 70, ainda faz muita gente cantar e dançar quando rola o som de John Travolta e Olivia Newton-John nas festas. Grease – Nos Tempos da Brilhantina está de volta esta semana, em algumas salas de cinema. Programão – ainda mais para quem ainda sabe de cor as músicas geniais da época! Vejam o trailer abaixo alguns dos sucessos!

A exibição faz parte do projeto CLÁSSICOS CINEMARK e está nas seguintes salas: Iguatemi, Cidade Jardim, Central Plaza, Eldorado Market Place, Metrô Santa Cruz, Pátio Higienópolis, Pátio Paulista e Villa Lobos.

 

Sem Comentários » TAGS:  
JERSEY BOYS: EM BUSCA DA MÚSICA – Jersey Boys
CLASSIFICAÇÃO: Para se Divertir, Musical, Garimpo na Locadora, Drama, Biografia - 26/06/2014

Acaba de sair em homevideo o bonito e melancólico Inside Llewin Davis – Balada de um Homem Comum. Vale a pena, é garimpo certeiro, com a marca dos diretores e irmãos Ethan e Joel Coen – que conseguem tratar o anti-herói e o cotidiano como ninguém. Com o grande bônus da música folk dos anos 60, já que música boa vira também protagonista. 

Para deleite dos que amam essa época e seu ritmo, entra hoje em cartaz outro ótimo filme, também de um grande diretor. Clint Eastwood adapta para a telona o musical da Broadway Jersey Boys, que ganhou o subtítulo em português: Em Busca da Música. Nem precisava. Dê uma espiada no trailer abaixo e você já vai entender que o filme é musical por essência – e acho que poderia ser ainda mais. Mas também dá ênfase à vida dos garotos que saíram da vida mundana de New Jersey, onde não tinham qualquer perspectiva de vida, envolveram-se com a máfia e conseguiram, entre trancos e barrancos, formar a banda de rock “The Four Seasons”, que foi um sucesso.

John Lloyd Young, que representa Frankie Valli (e tem uma voz incrível e diferenciada), fez também o papel nos palcos da Broadway, assim como outros atores que estão na produção de Eastwood. Além do balanço delicioso das canções, o diretor dá o tom certo ao drama do quarteto que queria fazer sucesso e dinheiro, mas que acaba esbarrando nos desejos e egos individuais. Claro que a produção é caprichosa e reconstitui uma época em que o visual é incomparável.

Se eu fosse fazer uma dobradinha musical no fim de semana, seria cinema com Jersey Boys, e sofá com Inside Llewin Davis. Folk e rock de uma época que ainda rende muitas boas histórias nas mãos de diretores talentosos.

 

DIREÇÃO: Clint Eastwood ROTEIRO: Marshall Brickman, Rick Elice ELENCO: John Lloyd Young, Erich Bergen, Michael Lomenda, Vincent Piazza, Christopher Walken, Johnny Cannizzaro  | 2014 (134 min)

 

 

Sem Comentários » TAGS:  
AMAZÔNIA
CLASSIFICAÇÃO: Para Ver em Família, Para se Emocionar, Para se Divertir, Garimpo na Locadora, França, Brasil, Aventura - 26/06/2014

Curiosamente, na semana em que Amazônia foi exibida à imprensa, ouvi no rádio uma entrevista sobre a importância dos “rios voadores”. O conceito me chamou a atenção: são “rios” de umidade que se formam com a evaporação das águas da bacia amazônica que, levados pelos ventos e barrados pelos Andes, conseguem chegar ao Centro Oeste, Sudeste e Sul do país, causando as tão esperadas chuvas de verão. Com o desmatamento da floresta, obviamente chove menos, os “rios voadores” ficam mais pobres e nós passamos a ter verões como o deste ano: seco.

A coprodução franco brasileira Amazônia não tem esse tom didático. Não é um documentário sobre a seríssima questão ambiental. Mas o conceito ficou marcado, e a realidade nua e crua, sentida na pele. Quando o filme lúdico e divertido do diretor francês Thierry Ragobert, especializado em filmagens com viés ecológico, foi apresentado aos jornalistas, caiu a ficha de que a ciência sozinha não vai resolver o problema. O estrago já está feito. Agora nos resta educar, de maneira simpática e sustentável, sem violência ou acusação, na linguagem adequada, as gerações que podem fazer a diferença.

Projeto longo e cuidadoso, Amazônia levou três anos para ser realizado e contou com a consultoria de diversos especialistas em meio ambiente, já que foi filmado inteiramente com animais nativos da floresta. Sim, não são adestrados, não são fruto da animação digital, não há cenário montado. É tudo de verdade. Exibido em vários países, aqui no Brasil o macaco-prego Castanha, protagonista que vive no Rio, é vendido para o circo e vai parar na Amazônia por acaso, ganha a voz do ator e humorista Lúcio Mauro Filho. Nos outros países, os produtores optaram pena narração ou fundo musical. “Tomamos a decisão de dublar justamente para criar uma identidade com o público brasileiro, usar uma linguagem coloquial e deixar a mensagem clara de que é preciso haver diálogo também com a natureza”, diz Lúcio, enquanto se diverte ao falar do Castanha. De fato, o texto escrito por José Roberto Torero é ótimo e muito natural, fala com crianças, jovens e adultos e nos ajuda a entender que a tal seca que enfrentamos está diretamente ligada ao desmatamento e descaso com a floresta. Humaniza o personagem, porque ele conversa com ele mesmo e fala dos sentimentos humanos, mas traz para perto do espectador todo o seu comportamento natural, sem truques de filmagem.

E dá certo. Luiz Bolognesi escreve o roteiro (também da linda animação Uma História de Amor e Fúria), o fotógrafo Araquém Alcântra dá consultoria sobre onde encontrar os animais, já que fotografa a região há décadas, e toda a equipe se preparou para ter paciência. “Tivemos que esperar vários dias para avistar a onça pintada que aparece no filme”, diz o produtor Fabiano Gullane. “O desafio foi adaptar-se ao ritmo da floresta, observar o comportamento dos animais no seu habitat natural, sem qualquer intervenção humana.”

Um desafio e tanto. Comentei na entrevista sobre a semelhança de roteiro com a animação Rio 2 – afinal, a arara azul Blu também é domesticada, também carrega um adereço humano – a pochete – também chega na Amazônia e tem que sobreviver e enfrentar outros da sua espécie. O macaco-prego Castanha leva a marca da civilização na sua coleira vermelha e passa por situação semelhante. Seria uma espelho da outra? Concordo com Bolognesi que não – foi só uma provocação da minha parte. Cada filme tem seu encanto. O que vale dizer aqui é que a Amazônia que vemos em Rio 2 é fabricada, animada, digitalizada e um pano de fundo da aventura das araras. Aqui, a Amazônia é a grande protagonista. Castanha só faz o elo entre a natureza exuberante que ainda temos, e a geração que ainda pode mudar a realidade. E o cinema funciona, mais uma vez, como veículo de informação e entretenimento.

 

DIREÇÃO: Thierry Ragobert ROTEIRO: Luiz Bolognesi, Johanne Bernard ELENCO: Lúcio Mauro Filho (voz) | 2013 (83 min)

 

Sem Comentários » TAGS:  
UMA JUÍZA SEM JUÍZO – 9 Mois Ferme
CLASSIFICAÇÃO: Para se Divertir, Garimpo na Locadora, França, Comédia - 25/06/2014

Outro dia me disseram que filme francês era chato. Tem gente que ainda pensa assim. Ou será que essa é a opinião da maioria? Vamos lá: de fato filme francês tem essa fama, mas as coisas mudaram já faz um bom tempo. Além daquelas produções duras, pesadas, feitas para pensar, os diretores franceses têm explorado novas vertentes, como o que chamamos de comédia romântica, dramas sobre amizade, suspense ou simplesmente um filme para divertir o espectador (quem acompanhou o Festival Varilux de Cinema Francês este ano não me deixa mentir – havia filme de todas as categorias, diretores de todos os perfis!). Este é daqueles gostosos de ver, que coloco na prateleira dos que fazem rir e distrair, com direito a caras e bocas.

Acabei de ter a ideia de uma nova lista para o Cine Garimpo: deliciosos filmes franceses. Mas esse é outro assunto. Uma Juíza Sem Juízo (bom título, diga-se de passagem) entra nessa prateleira dos filmes improváveis e, até por isso, divertidos. A história por si só já é uma piada: Ariane Felder é uma solteira convicta, juíza viciada em trabalho, competente e sem paciência para lenga-lenga. Um dia “descobre” que está grávida de seis meses (como se isso fosse possível – mas aí é que está a graça) e tudo leva a crer que o pai é um sujeito condenado por um crime terrível.

Ariane (Sandrine Kiberlain, também em O Pequeno Nicolau, Mademoiselle Chambon, As Mulheres do 6o Andar) enlouquece tentando entender o que aconteceu e como vai fazer para se safar dessa encrenca. Premiado com o César de melhor atriz e melhor roteiro original, Uma Juíza Sem Juízo é uma boa pedida para um dia em que não se quer pensar muito, mas o que se quer mesmo é ter o prazer de assistir a um filme cuja pretensão é ser despretensioso. Voilà!

 

DIREÇÃO: Albert Dupontel ROTEIRO: Albert Dupontel, Olivier Demangel, Héctor Cabello Reyes ELENCO Sandrine Kiberlain, Albert Dupontel, Nicolas Marié | 2013 (82 min)

 

Sem Comentários » TAGS:  
VIVA A LIBERDADE
CLASSIFICAÇÃO: Trailer, Itália - 25/06/2014

Sem Comentários » TAGS:  
COMO TREINAR O SEU DRAGÃO 2 – How to Train Your Dragon 2
CLASSIFICAÇÃO: Para Ver em Família, Para se Divertir, Garimpo na Locadora, Estados Unidos, Aventura, Animação, Ação - 23/06/2014

Soluço cresceu, encorpou, ganhou respeito e agora já tem 20 anos em Como Treinar Seu Dragão 2. Está preparado para assumir o posto do chefe da ilha dos vikings, seu pai. Mas antes que isso aconteça, Soluço e seu dragão Fúria da Noite partem para desbravar outras terras. Descobrem um paraíso cheio de animais coloridos e cordiais, referendando a teoria do rapaz que, desde pequeno, dizia que não era preciso matá-los, que eles poderiam conviver pacificamente.

Pena que o trailer (abaixo) e as sinopses que têm por aí denunciam as surpresas guardadas nessa ilha da fantasia. Eu não sabia de nada e confesso que sempre é mais gostoso descobrir na hora. Claro que esse paraíso é ameaçado e que os dragões e vikings entram em combate. O bem contra o mal, mas com a mesma graciosidade do primeiro filme, com uma aventura forte e jovem, com uma mensagem familiar bacana e importante de ser transmitida para a garotada que gosta de animação. Cá entre nós, adoro o gênero e também sinto que as mensagens são para os adultos, pais e mães que precisam renovar e e reinventar o tempo todo.

DIREÇÃO: Dean DeBlois | 2014 (102 min)

 

 

Sem Comentários » TAGS:  
O HOMEM DUPLICADO – Enemy
CLASSIFICAÇÃO: Para Pensar, Garimpo na Locadora, Drama, Canadá - 23/06/2014

Na orelha do livro homônimo de José Saramago, vai a pergunta que não quer calar: “O que você faria se descobrisse que tem uma sósia, alguém que é o seu retrato fiel, o mesmo rosto, o mesmo corpo, a mesma voz?”. Engraçado, à primeira vista; curioso, quando se pensa melhor; assustador, quando se dá conta de que o que se considera individual, único, exclusivo não é privilégio dos seres vivos. Somos também produção em série, produtos de uma sociedade uniformizada, tolhida e formatada segundo o mais poderoso dos poderes: a força da imagem.

E por aí vai: podemos enveredar para o papel fundamental da mídia e da informação na formação da nossa era; para a força da inserção no grupo, na maioria; para a importância de “fazer parte de algo”. O que teoricamente nos faria únicos, Saramago traz à tona como algo oposto, contrário e contraditório: a perda da identidade. Jake Gyllenhall, um pacato professor, um dia se vê em um filme, como coadjuvante. Intrigado, faz uma pesquisa para saber quem é aquele sujeito idêntico a ele. O encontro de opostos, o professor e o ator, confunde não só o espectador – confesso que já não sabia quem era quem – mas nos deixa com a sensação de que alguém é dissimulado. De que alguém sabe de algo; de que há algo sendo encoberto e de que jamais conseguiremos juntar as peças do quebra-cabeça. Eu não consegui, e acho que nem os personagens de Gyllenhall foram capazes (também em Os Suspeitos, Contra o Tempo).

Gosto muito da leitura de Saramago, dessa confusão armada que fizemos na sociedade. A tentativa de unificar fez com que todos sejam parecidos, porém sem personalidade. Em Ensaio Sobre a Cegueira, somos todos cegos, se não vemos o essencial. Filme para pensar, assim como seus livros. Com exceção do interessante e divertido A Viagem do Elefante, em que o escritor conta como é que foi possível transportar um elefante de Lisboa a Viena, no século XVI, por causa dos caprichos de um rei. Satírico – não poderia deixar de ser. O Homem Duplicado não escapa deste adjetivo também, mas eu diria que está mais para algo enlouquecedor, parecido com o que a dinâmica de que “a gente plantou, agora tem que colher”.

Vale dizer que o diretor canadense Denis Villeneuve é responsável pelo incrível filme Incêndios, já enaltecido várias vezes aqui no blog. Tem um viés político, humano e dramático fortíssimo, enquanto que Os Suspeitos, também dele, é suspense puro. O Homem Duplicado não é nada disso e é tudo isso; somos nossos próprios inimigos, como sugere o título em inglês. Uma boa sacada de um diretor versátil e nada óbvio. Sorte de quem gosta de sair da narrativa comum.

DIREÇÃO: Denis Villeneuve ROTEIRO: Javier Gullón, José Saramago (livro) ELENCO: Jake Gyllenhaal, Mélaine Laurent, Sarah Gadon | 2013 (90 min)

 

Sem Comentários » TAGS:  
VIZINHOS – Neighbors
CLASSIFICAÇÃO: Para se Divertir, Garimpo na Locadora, Estados Unidos, Comédia - 23/06/2014

Pelo trailer pode até parecer que Vizinhos se encaixa na mesma prateleira das comédias apelativas, que não têm propósito, nem chegam a lugar algum. Algo como o tolo Gente Grande 2, por exemplo – que é chato e sem graça. Mas acredite, não é o caso. Sendo bem sincera, sou bem exigente com esse cinema americano besteirol, perco a paciência rápido com lugares comuns e atores de quinta. Mas confesso que me diverti com o filme e a chave é uma só: Vizinhos tem como bônus o casal Kelly (Rose Byrne, também em Os Estagiários) e Mac (Seth Rogen, também em Entre o Amor e a Paixão), que realmente tem uma ótima liga.

Pais de primeira viagem, passam pela experiência de ter a vida virada do avesso com a chegada da adorável filhota. Exageram em algumas situações, mas quem tem filho e é capaz de se lembrar da loucura que é lidar com eles pequenos, vai se identificar e dar boas risadas. Ou talvez não seja tão exagero assim, a gente é que esquece rápido… Fato é que, quando tudo está mais ou menos dentro do esperado, noites sem dormir previsíveis e baladas adiadas indefinidamente, a casa vizinha é alugada por uma turma de universitários, formando o que a gente chama por aqui de “república de estudantes”.

O chefe da galera é Teddy – lembram-se do Troy, o garotão do musical High School Musical? Pois é, ele está bem no papel de bad boy, que só quer saber de curtir a vida adoidado e acha que vai ser eternamente jovem. Na tentativa de fazer a política da boa vizinhança e evitar grandes badernas madrugada adentro, Kelly e Mac tentam selar um pacto com Teddy: se rolar muito barulho, é só avisar. Chamar a polícia, jamais!

Mesmo cheio de clichês, Vizinhos tem um humor e é divertido. Não é um humor fino, inteligente, sutil. É escancarado mesmo, com caras e bocas engraçadas, graças à ótima parceria entre o casal. A referência ao gênio de Breaking Bad e a irônica cena final dos garotões exibindo o corpinho na porta da loja de grife da moda adolescente são realmente muito boas! Que belo futuro!

 

DIREÇÃO: Nicholas Stoller ROTEIRO: Andrew J. Cohen, Brendan O’Brien ELENCO: Seth Rogen, Rose Byrne, Zac Efron | 2014 (97 min)

 

Sem Comentários »
GARIMPO DE BOAS DICAS NA NETFLIX
CLASSIFICAÇÃO: Lista - 18/06/2014

Feriado à vista e garimpo feito! Tem muita produção disponível, mas o bom negócio é assistir aquilo que o nosso espírito está a fim naquele momento. Fizemos uma lista com 10 ótimos filmes disponíveis para os assinantes da NETFLIX. Ótimos mesmos, mas é claro que é sempre bom ler o comentário no blog para não ver um drama no dia em que você está mais pra comédia! Clique no nome do

Além disso, como sempre, o blog tem a preocupação de abrir os horizontes, sugerir filmes fora da caixa, sair do comum, como o filme alemão Os Falsários, vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro em 2008. Viajamos pelo mundo, com sugestões de vários países e culturas! Bom garimpo e bom feriado!

 

 

COMENTE » 1 comentário TAGS:  

Próxima página »

CATEGORIAS

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

Você também pode assinar listas específicas: