cinegarimpo

novembro, 2009

O CASAMENTO DE RACHEL – Rachel Getting Married
CLASSIFICAÇÃO: Para Pensar, Estados Unidos - 28/11/2009

casamento de rachelDIRETOR: Jonathan Demme1 icone_DVD

ELENCO: Anne Hathaway, Rosemarie DeWitt, Mather Zichel, Bill Irwin, Debra Winger

LOCAL, ANO: Estados Unidos, 2008

Acho Anne Hathway uma grande atriz. Em O Casamento de Rachel ela é Kym, o protótipo da moça infeliz, aquela que se sente preterida, incompreendida, cheia de tristeza e de questões mal resolvidas na vida. Encontra no álcool e nas drogas a fuga de tudo e de todos e termina por ter que começar tudo de novo, todos os dias.

Achei que vale muito a pena. Kym sai da clínica de reabilitação por um fim de semana, porque sua irmã, Rachel, vai se casar. Assim, encontra-se com toda a família, que já a recebe com certo receio do tipo vem-confusão-e-vexame-por-aí. E naturalmente todas as atenções se deslocam para ela, deixando a noiva em segundo plano. É nessa convivência que vêm à tona os conflitos com a irmã, a perda do irmão, de que ela se culpa, a relação rancorosa com a mãe e as lembranças que a casa da família traz.

A questão é muito real, faz parar para pensar. As trocas de olhares dizem mais do que as palavras; a dor da dificuldade de reconciliação consigo mesma dói na alma; a vontade de melhorar faz as vidas seguirem em frente.

COMENTE » 1 comentário TAGS:  
CRUZADA – Kingdom of Heaven
CLASSIFICAÇÃO: Para Entender o Nosso Mundo, Estados Unidos - 26/11/2009

cruzadaDIRETOR: Ridley Scott1 icone_DVD

ELENCO: Orlando Bloom, Eva Green, Jeremy Irons, Liam Neeson, David Thewlis, Brendan Gleeson, Marton Csokas

LOCAL, ANO: Estados Unidos, 2005

França, 1184. A Europa está em plena Guerra Santa e os cruzados europeus partem em direção à Jerusalém para protegê-la do ataque muçulmano. De quebra, buscam a salvação divina, em uma época em que matar um infiel não é assassinato, mas o caminho para o céu; em que chegar à Terra Santa é promessa de um novo mundo e de redenção dos pecados.

Cruzada mostra a faceta desse reinado cristão mantido pelos cruzados nos séculos 12 e 13, que visava construir um mundo melhor, onde cristãos e muçulmanos pudessem conviver em paz; um reinado da consciência e da paz e não da guerra. Isso é o que pensava o rei de Jerusalém, que sofria de lepra e pedia a seus vassalos barões – entre eles Baliam (Bloom), o ferreiro francês que herda as terras de seu pai, um nobre cavaleiro inglês (Liam Neeson) – que defendessem os peregrinos e os indefesos. Na tentativa de manter a paz entre os povos e evitar as batalhas, os interesses políticos falavam mais alto, ditavam as regras e determinavam o poderio militar.

Filmes que retratam a Idade Média sempre têm batalha, espada, sangue, enforcamento, muita produção e muita intriga – sempre em nome de Deus. Para quem gosta do gênero, vale ver pelo retrato da época, pela riqueza de detalhes, pelas fortalezas, pelas roupas. Mas também pela ironia que é pensar que 900 anos se passaram sem que fosse possível encontrar a fórmula da tolerância entre cristãos, judeus e muçulmanos na região. Parece que nada mudou desde então.

Comentários » 2 comentários TAGS:  
ENTRE OS MUROS DA ESCOLA – Entre les Murs
CLASSIFICAÇÃO: Para Pensar, Para Entender o Nosso Mundo, França - 26/11/2009

Palma de Ouro em Cannes, 2008

François Bégaudeau é, na vida real, professor do ensino médio de uma escola da periferia de Paris. Escreve um livro contando sua experiência, que vira filme pelas hábeis mãos de Laurent Cantet e Robin Campillo. Em Entre os Muros da Escola o professor Bégaudeau representa ele mesmo; os alunos são também atores amadores, o que presenteia o espectador com uma áurea documental, natural e absolutamente universal.

Embora trate da questão pontual francesa da lida com os filhos de suas ex-colônias, o fato de inserir a discussão no ambiente escolar, como exemplificação do microcosmo da vida, faz com que o enredo vá ainda mais além. Fala da relação dos adolescentes com o ensino, com o novo e principalmente com a ponte para o novo: o professor. Bégaudeau é daqueles que enfrenta as provocações dos alunos com diplomacia, tem tom conciliatório, abre espaço para exposição das opiniões. Mas a relação de hierarquia é inevitável e termina por minar o relacionamento idealizado que ele gostaria de ter com seus alunos, de origens e históricos familiares bem diferentes e bastante conflitantes. Sem falar nos atritos que gera diante do corpo docente da escola – que, inevitavelmente, tem opiniões e posturas diferentes.

Em se tratando de adolescentes, percebemos a mesma questão em todo e qualquer país. Fala mais alto a auto-afirmação, a necessidade de aceitação do grupo, a provocação pela provocação. Mas toda essa teia de relações pode ser transportada para qualquer outro ambiente em que há relacionamentos em jogo, em que é preciso lidar com as diferenças. Por isso acho que o título em português limita o entendimento desse comportamento enquanto universal. Prefiro o original, Entre les Murs, pois entendo que haja muitos outros muros na vida além da escola, como a sociedade, a família, o trabalho, em que essa postura conflitante se manifesta a todo instante.

DIRETOR: Laurent Cantet ELENCO: François Bégaudeau, Laura Baquela, Nassim Amrabt, Cherif Bounaïdja Rachedi, Juliette Demaille, Damien Gomes, Arthur Fogel, Dalla Doucoure | 2008

Sem Comentários » TAGS:  
UM HOTEL BOM PRA CACHORRO – Hotel for Dogs
CLASSIFICAÇÃO: Para Ver em Família, Estados Unidos - 25/11/2009

1 icone_DVDDIRETOR: Thor Freudenthal

ELENCO: Emma Roberts, Jake T. Austin, Don Cheadle, Johnny Simmons, Kyla Pratt, Troy Gentile, Lisa Kudrow, Kevin Dillon, Ajay Naidu, Eric Edelstein, Robinne Lee, Yvette Nicole Brown, Andre Ware

LOCAL, ANO: Estados Unidos, 2009

hotel bom pra cachorro

Um Hotel Bom pra Cachorro é daqueles filmes gostosos de ver com as crianças. Conta a história de dois irmãos órfãos que moram com tutores rabugentos e adoram cachorros – a ponto de ter um deles escondido na casa. Um belo dia, o cachorro foge e se enconde da carrocinha em um hotel abandonado. Lá, as crianças encontram três cachorrinhos sem dono, que já tinham descoberto o maravilhoso esconderijo.

Daí surge a brilhante idéia de montar um hotel para cachorros, junto com o garoto do pet shop, que se oferece para ajudar. Com mais uma ajudante, hospedam todos os cachorros que encontram na rua e a confusão está armada.

Vale dizer que a graciosa atriz Emma Roberts é sobrinha de Julia Roberts. A garota promete!

Comentários » 3 comentários TAGS:  
CONVERSAS COM O MEU JARDINEIRO – Dialogue avec mon Jardinier
CLASSIFICAÇÃO: Para se Emocionar, França - 23/11/2009

1 icone_DVDDIRETOR: Jean Becker

ELENCO: Daniel Auteuil, Jean-Pierre Darroussin, Fanny Cottençon, Hiam Abbass, Élodie Navarre

LOCAL, ANO : França, 2007

 conversas com meu jardineiro

Sábias palavras aquelas do paraninfo que escreveu o texto “Filtro Solar”, traduzido em português por Pedro Bial: “Cuide bem dos amigos – quanto mais velho você ficar, mais vai precisar daqueles que conheceu quando era jovem”.

O filme me emocionou basicamente por isso. Deve ser justamente pela fase de vida, em que já tenho certeza absoluta do poder transformador de uma amizade antiga. Os personagens são assim, velhos amigos de colégio, que seguiram caminhos completamente diferentes e vivem em realidades também opostas. Um é artista, badalado, requisitado nas rodas parisienses, mulherengo, com a família em frangalhos; o outro é um ex-ferroviário aposentado, simples, afetivo, que procura emprego como jardineiro. O convívio entre DoPincel e DoJardim, como se apelidaram, constrói uma amizade descompromissada e muito franca. De uma maneira bem francesa de mostrar as coisas, ressalta a simplicidade, os detalhes, as descobertas.

COMENTE » 1 comentário TAGS:  
A ONDA – Die Welle
CLASSIFICAÇÃO: Para Entender o Nosso Mundo, Alemanha - 19/11/2009

DIRETOR: Dennis Gansel1 icone_DVD

ELENCO: Jürgen Vogel, Frederick Lau, Max Riemelt, Jennifer Ulrich, Christiane Paul,  Elvas M’Barek, Cristina Do Rego, Jacob Matschenz

LOCAL, ANO: Alemanha, 2008

a onda

Embora tenha como base uma história real ocorrida na Califórnia em 1967, o filme é uma ficção, vale dizer. Mas nem por isso menos verossímil. Reiner Wegner é professor do ensino médio e naquela semana é designado para dar um módulo sobre autocracia. Embora preferisse falar sobre anarquia, Wegner se vê diante do desafio de envolver os adolescentes inquietos com um assunto de que a Alemanha já teve o suficiente.

Isso diziam os alunos, não eu. Disseram que já estavam fartos de ouvir falar de Hitler, que isso era página virada da história. Mas seguindo a linha interativa, Wegner propõe aos alunos uma simulação, para provar que, se bobearem, a semente voltaria a geminar. Imaginaram que para se tornar homogênea, a classe deveria adotar algumas regras básicas dos sistemas autoritários, que massificam seus membros para exercer o controle. Para tanto, designaram um líder, um lema, um símbolo, uma saudação, um vestuário, uma postura. Agora eram todos iguais. Com exceção de alguns, que foram discriminados e ameaçados. A proposta era vivenciar aquela situação durante cinco dias.

Denominado pelos alunos A Onda, o movimento toma dimensões extraordinárias e ultrapassa os limites do que era para ser somente uma aula experimental.

Não vou contar mais, porque realmente vale a pena conferir. A Onda nos faz pensar em, pelo menos, dois pontos. Primeiro, o poder das palavras. Tudo começa com um discurso, com a persuasão, a apresentação de uma proposta bem calcada – risco a que estamos expostos todos os dias. O segundo, a extrema vulnerabilidade do ser humano, daquele que preenche seu vazio ideológico e afetivo com uma promessa de poder, sucesso, superioridade e possibilidade de pertencer a algum grupo, ser aceito.

Minha sorte é que tive que sair correndo do cinema com medo do trânsito. Senão, teria ficado ali paralisada, pensando sobre os rumos da nossa sociedade, sobre a intolerância ao que é diferente, sobre as sementes do autoritarismo que estão plantadas entre nós nos gestos mais sutis, sobre o poder de cada palavra que emitimos. Fui embora rápido, mas não escapei da paralisia.

 

Comentários » 3 comentários TAGS:  
FORREST GUMP – O Contador de Histórias – Forrest Gump
CLASSIFICAÇÃO: Para se Divertir, Para Rever, Estados Unidos - 19/11/2009

 

1 icone_DVDDIRETOR: Robert Zemeckis

ELENCO: Tom Hanks, Sally Fields, Robin Wright Penn, Gary Sinise

LOCAL, ANO: Estados Unidos, 1994

Forrest_Gump

“A vida é como uma caixa de chocolate: a gente nunca sabe o que vai encontrar lá dentro.”

Interessante rever filmes que tratam das relações humanas. Com o passar do tempo, parece que eles fazem ainda mais sentido. Forrest Gump é assim, atemporal. E muito, muito sensível.

A história do garoto ingênuo é contata paralelamente à história dos Estados Unidos. Na sua trajetória, entram personagens famosos como Elvis e Lennon, e acontecimentos marcantes, como a Guerra do Vietnã, os hippies e a AIDS – que surgia como uma doença misteriosa, sem cura, um vírus que iria colocar todo o planeta em alerta. Foi na década de 80 que a AIDS ganhou nome e corpo, e apropriou-se da vida de muitos. Assim como da de Forrest.

Tom Hanks (também em Tão Forte e Tão Perto, Larry Crowne – O Amor Está de Volta, Náufrago, Filadélfia, Sintonia de Amor), está totalmente mergulhado no personagem e não é à toa que recebe o Oscar de melhor ator por isso. Filme e diretor também ganham o prêmio em 1995. A dica aqui é deixar-se levar pela emoção. Assim como Forrest. Sem colocar o racional na frente para atrapalhar e podar o intuitivo – coisas que fazem parte da vida adulta – recheada de surpresas, como dizia sua sábia mãe.

 

Sem Comentários » TAGS:  
A ERA DO GELO 3 – Ice Age: Dawn of the Dinosaurs
CLASSIFICAÇÃO: Para Ver em Família, Estados Unidos - 17/11/2009

1 icone_DVDDIRETOR: Carlos Saldanha

LOCAL, ANO: Estados Unidos, 2009

 

a era do gelo

Manny e Ellie, os maduros e equilibrados mamutes, vão ter um filho e dividem esse momento especial da vida trocando ideias sobre parto, crianças, parquinho. Diego, o tigre dentes-de-sabre, acha que não pertence mais ao grupo, que não tem vocação para essa coisa de “família” e prefere seguir seu caminho, solteiro e selvagem. A preguiça Sid, por outro lado, quer ser pai. Ao encontrar ovos de dinossauro, deixa seu instinto paternal aflorar – à sua maneira, bastante exagerada.

O enlouquecido esquilo Scrat agora tem companhia, a fêmea Scratte – uma linda e esperta garota que dá um nó no companheiro. A novidade fica por conta de Buck, a doninha caolha – uma criatura que vive sozinha no vale perdido dos dinossauros, passa seu tempo caçando os gigantes e é alucinada por esse estilo de vida perigoso e aventureiro.

Com o humor inteligente habitual e boas sacadas, A Era do Gelo 3 completa a trilogia com chave de ouro. O astral é bom, o cenário, impecável e mais variado (não tem só gelo, afinal de contas), e o divertimento, garantido.

Sem Comentários » TAGS:  
JEAN CHARLES
CLASSIFICAÇÃO: Para se Divertir, Brasil - 17/11/2009

1 icone_DVDDIRETOR: Henrique Goldman

ELENCO: Selton Mello, Vanessa Giácomo, Luis Miranda, Patricia Armani, Daniel de Oliveira, Sidney Magal

LOCAL, ANO: Brasil, 2009

jean-charles1

Não é muito difícil identificar brasileiros em Londres. Eles têm uma maneira característica de se vestir e fica fácil pinçá-los no meio de tantas nacionalidades – no caso do filme, ficou faltando só o sapato London Fog que todos nós usávamos quando adolescentes na Europa. Agora saiu de moda. Quando vi o cartaz e reparei na jaqueta jeans por cima do casaco de moletom, logo percebi que não se tratava somente da vida e morte de Jean Charles em Londres. Que ia mais além, falando dos brasileiros imigrantes com um todo, da ajuda mútua nas cidades européias, das falcatruas para se manter na ilegalidade.

Gostei do filme. Mostra sua convivência com os primos e outros compatriotas da comunidade londrina, com até algumas situações engraçadas, tipicamente brasileiras – eu diria. Mas o que seria uma história comum, vira um drama. Jean Charles não é pintado de vítima, mas de fato foi brutal e injustamente assassinado.

Mostra também o lado inglês da busca neurótica por terroristas, do preconceito, do ar de superioridade. Mas o forte do filme é realmente a verossimilhança. Selton Mello arrasa no papel, Vanessa Giácomo é a própria garota ingênua de interior que cresce na marra. Vale dizer que alguns personagens, como a prima Patrícia e o ex-patrão Maurício, são interpretados por eles mesmos – mais uma garantia de que a história foi contada a partir do ponto de vista de pessoas que participaram efetivamente da vida de Jean Charles. E pensar que a BBC não quis seguir com o projeto do filme… alegaram conflito de interesses. Bom para Henrique Goldman, que ficou com o caminho livre para humanizar a história.

Sem Comentários » TAGS:  
LIVRO – DE CUBA, COM CARINHO – De Cuba, con Cariño
CLASSIFICAÇÃO: Dicas Afins, Cuba - 16/11/2009

 

de cuba com carinho

“Batizei meu novo espaço de exorcismo Generación Y, um blog inspirado em gente como eu, cujo nome começa por um ‘ípsilon’. Pessoas nascidas na Cuba dos anos 1970 e 1980, marcadas pelas escolas rurais, pelos bonequinhos russos, pelas saídas ilegais e pela frustração. Pois naquelas décadas tão controladas, ao menos uma parcela de liberdade ficou sem supervisão: o simples fato de dar nome aos filhos. Daí que nossos pais – padronizados até o excesso, todos vestindo o mesmo modelo de calça ou de blusa que o racionamento lhes concedia – se esbaldavam colocando esses nomezinhos exóticos.” – Yoani Sánchez

 

Extraído do livro De Cuba, Com Carinho (Editora Contexto, 208 páginas), o trecho acima explica não só o nome do blog de uma das 100 pessoas mais influentes do planeta, segundo a Time, como também joga luz sobre as trevas em que vivem os cubanos. Yoani Sánchez é cubana, blogueira e personalidade mundial – nessa ordem. É fruto da geração que cresceu sob o sistema implantado por Che (juventude retratada em Diários de Motocicleta) e Fidel Castro em 1959, mantido até hoje a ferro e fogo.

Intencionando justamente revelar aquilo que não se menciona por medo ou comodismo, Yoani Sánchez fez uma compilação de alguns de seus melhores textos do blog e publicou um livro. Não pôde sair de Cuba para lançá-lo – assim como não pôde ir a lugar algum para receber os inúmeros prêmios a que tem direito. Mas usa a internet para contar ao mundo que passam fome, que não têm educação nem saúde decentes, que lhes falta tudo, ainda mais depois da derrocada da União Soviética, a começar pela liberdade de ir e vir.

Em 6 de novembro, por ocasião das manifestações pelo aniversário da queda do Muro de Berlim, Yaoni foi espancada e ameaçada de morte por aqueles que vigiam seus passos dia e noite. Estampou, no Generación Y, o desenho abaixo com os dizeres: “Não me bata, sou só uma blogueira”. Atitudes como essa mostram como anda a intolerância e a ditadura dos irmãos Castro e seu efeito avassalador na economia da ilha, nas pessoas e em suas perspectivas de futuro.

no_me_golpee generacion y

O livro tem uma linguagem simples, cotidiana – reflexo mesmo de alguém que busca compartilhar opiniões e mostrar a necessidade de mudança. Não deixe de acessar também o blog Generación Y, que já pode ser lido em diversas línguas, inclusive português. 

www.desdecuba.com/generaciony/

COMENTE » 1 comentário TAGS:  

Próxima página »

CATEGORIAS

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

Você também pode assinar listas específicas: